Arquivos do Blog

O Google Glass é ruim para os olhos?

google-glass-img

O Google Glass consegue fazer coisas fantásticas. Observe estes vídeos gravados com ele. Mas considerando o quanto seus olhos são prejudicados por olhar para telas, o Google Glass vai danificar ainda mais a sua vista a longo prazo?

O Google colocou alguns alertas aos seus possíveis consumidores no FAQ do Glass (ênfase adicionada):

O Glass não é para todos.

Como com quem usa óculos, algumas pessoas podem sentir cansaço visual ou ter dor de cabeça. Se você fez uma cirurgia Lasik, pergunte ao seu médico sobre os riscos de danos aos olhos antes de usar o Glass. Não deixe crianças com menos de 13 anos usar o Glass já que isso pode prejudicar o desenvolvimento da visão. Além disso, crianças podem quebrar o Glass e se machucarem, e os termos de serviço do Google não permitem que menores de 13 anos registrem uma conta do Google. Se o Glass não é para você e você deseja devolvê-lo, faça isso antes do fim do período de reembolso.

Então nada de Glass para crianças menores de 13 anos. Mas isso é apenas uma coisa legal com uma dose de precaução, disse o Dr. Jim Sheedy, diretor de Pesquisa Optométrica do Instituto de Desempenho de Visão Optométrica de Pacific College ao Gizmodo.

“Não vejo nenhuma razão específica para smartglasses serem prejudiciais a crianças. O alerta sobre o uso por crianças foi dado por precaução e de uma posição de prudência legal. Quando smartglasses se tornarem mais comuns, como espero que sejam, nós vamos ficar mais confortáveis com a defesa da sua utilização por crianças.”

Então ele provavelmente é ok para crianças, mas e para o resto de nós? Já olhamos para laptops, smartphones e tablets durante o dia inteiro, o que não é exatamente o ideal. Você provavelmente já sofreu com dor ocular, olhos secos e outros sintomas comuns de desconforto. Mas o Google Glass é um caso diferente. Nós passamos horas na frente dos nossos computadores, e o Google Glass foi projetado para passar menos tempo em ação. Talvez você fique o tempo todo vestindo o Glass, mas só vai usar o Glass quando precisar, seja quando você estiver respondendo uma mensagem ou ouvindo ele avisar que você precisa virar à direita na próxima rua. Não há uma tela constantemente ligada à frente das suas retinas. Na verdade, mesmo se você usar o Glass continuamente, você só teria cerca de uma hora de bateria.

Especialistas não estão muito preocupados. Sheedy diz que ele não prevê nenhum risco degenerativo do uso dos óculos e ele não vê nenhuma razão para ele causar danos para seus olhos.

O Glass tem algumas limitações que, intencionais ou não, diminuem o cansaço ocular. Por exemplo, gravações de vídeos em 10 segundos por padrão. E você pode escrever uma mensagem de texto apenas dizendo ao Glass o que quer, em vez de ter que olhar para uma tela. Deste ponto de vista, seus olhos podem preferir que você envie mensagens pelo Glass do que pela LCD do seu smartphone. Claro, vestir o Glass pode fazer você parecer um ciborgue, mas ele foi desenvolvido para tirar a tecnologia do seu caminho. É compreensivelmente difícil pensar nisso quando você está usando um computador colado na sua cara – ou olhando para uma pessoa que está. Mas isso é outra questão.

Diferentemente de qualquer problema real de visão, Sheedy diz que o risco potencial está mais relacionada com a mudança do olho de diferentes campos visuais de realidade. Quando você se move, certos receptores dizem ao seu cérebro onde você está situado. Mas quando é dado a você algum tipo de estímulo – um mapa piscando nos seus olhos, por exemplo – o cérebro fica confuso, e isso causa sintomas como tontura, ou, em casos mais extremos, náusea, o que Sheedy viu em seus estudos de 3D.

Mas os problemas de reconhecimento espacial não são algo que muitas pessoas terão. Em um recente Q&A com o Google, o oftalmologista de Harvard professor Dr. Eli Peli disse que esses problemas são provavelmente mínimos.

“Os olhos de algumas pessoas demoram mais para se ajustar a esses sistemas”, ele disse. “Isso deve ser esperado. Teorias sobre consequências sérias como confusão ou desorientação foram levantadas na mídia e tem ecos na literatura nos anos 1990, mas eram associadas com displays de realidade virtual inteiramente fechados.”

Um porta-voz do Google disse o seguinte:

“Nós estudamos design de conforto e segurança, e não descobrimos nada que cause preocupação. É algo que continuaremos observando. Estamos trabalhando com oftalmologistas no processo de desenvolvimento.”

É claro que é natural que o Google esteja otimista nesta questão. Eles estão vendendo os óculos de US$ 1.500. E para muitos de nós, isso ainda é bastante hipotético: agora o Glass está nas mãos de poucos usuários beta. Mas quando, e se, ele se tornar popular, você não deve se preocupar muito com seus olhos. O que é bom: há preocupação o suficiente com custos e privacidade para deixar você ocupado. gizmodo

Anúncios

Google Chrome saberá qual aba está tocando aquele som irritante

Você abre 15 abas no Chrome e começa a ouvir o som em alguma delas, mas não sabe exatamente qual é. É um pesadelo que o Google aparentemente quer resolver.

A versão mais recente do Chromium – o projeto de código aberto com muita coisa que acaba aparecendo no Chrome tempos depois – identifica qual aba exatamente está tocando algum tipo de som.

O recurso foi encontrado por François Beaufort. Ele gravou um pequeno vídeo mostrando a animação na aba do YouTube enquanto um vídeo está rodando:

O objetivo do Google, segundo Beaufort, é excluir abas que estão ativas e consumindo memória – não é preciso estar com ela aberta para ela estar ativa, e ela estar ativa não significa necessariamente que a pessoa está usando aquela aba.

A preocupação com abas que tocam sons sem que o usuário saiba exatamente de onde vem esse som não é nova. Uma extensão do Chrome chamada MuteTab já foi lançada com este conceito, mas, julgando pelos comentários na Chrome Web Store, ela não funciona muito bem.

Agora o Google tem o desafio de fazer o recurso funcionar. No Chromium, por enquanto, ele só detecta som em HTML5, mas o MuteTab já mostrou que é possível identificar quando um flash é quem está tocando a música.

Google Glass | Óculos de Realidade Aumentada! Pode isso ?

O Projeto Google Glass (óculos do Google)

O Google apresentou seu mais novo projeto que basicamente é um óculos conectado a internet que se utiliza da tecnologia futurista de realidade Aumentada.

O Projeto Google Glass (óculos do Google) ainda está em fase de testes.

Aparência futurística do novo projeto do Google!

O Óculos é um dispositivo semelhante a um óculos que fixado em um dos olhos disponibiliza uma pequena tela logo acima do campo de visão. A pequena tela apresenta a seu utilizador  mapas, opções de música, previsão do tempo, rotas de mapas, além disso, também é possível efetuar chamadas de vídeo ou tirar fotos de algo que você esteja visualizando e compartilhar imediatamente através da internet.

O Projeto vem sendo mantido pelo escritório do Google X e até o dia 4 de abril de 2012 o Google Glass ainda era um projeto secreto do Google. Atualmente o Google X conta com o apoio de especialistas em alta tecnologia como Richard W. DeVaul e Babak Parviz.

O visual do Óculos do Google parece sofisticado e futurista mas não possui lente dos dois lados. Sabe-se que o Google tem fornecido os protótipos a seus colaboradores afim de poder lançar o produto ainda no ano de 2012.

O lente de projeção do Google Glass não ocupa todo o campo de visão do usuário e possui uma tecnologia de foco que permite ao observador ler seu conteúdo sem a necessidade de mudar seu foco de visão, todos esses cuidados garantem o conforto e a segurança da pessoa que utiliza a tecnologia.

O Google publicou no Youtube um vídeo que foi totalmente filmando com o novíssimo Google Glass. As cenas demonstram algumas das diversas funcionalidades que o produto está prometendo oferecer.

Se você quer saber como comprar um Google Glass, paciência, por enquanto apenas as pessoas residentes no Estados Unidos e que atendam a uma séria de critérios poderão usufurir da novidade, isso acontece porque o Google Glass está na fase final do teste pelos usuários.

Google Glass chega ao mercado ainda este ano (2013) e deve custar entre US$ 500 e US$ 1.000.

As ações do Google vêm subindo nos últimos dias, devido a euforia do mercado para o lançamento do produto.

Pessoalmente eu creio que é uma nova tendência de tecnologia, agora é esperar e pagar pra ver, Google Glass promete impressionar muita gente.

Vídeo filmado por várias pessoas que usavam o Google Glass

Microsoft está “decepcionada” com o Google por causa do ActiveSync

Windows Phone 8X, da HTC

A Microsoft ainda não aceitou muito bem aquela história do Google encerrar o suporte do Gmail ao ActiveSync.

No mês passado, a empresa se disse “surpresa” com a decisão do Google. Agora comentou novamente o caso se declarando “decepcionada”, não parece estar disposta a fazer com que seus usuários transfiram dados das contas do Google para o smartphone com facilidade e voltou a sugerir que os usuários trocassem o Gmail pelo Outlook.com:

“Como muitos, estamos surpresos e desapontados que o Google quer tornar mais difícil para consumidores conectarem suas contas aos dispositivos. Se você quer o melhor email, especialmente para seu telefone ou tablet, agora é uma hora perfeita para se juntar aos milhões que já fizeram a escolha de atualizar para o Outlook.com. Usuários do Windows Phone ainda vão conseguir sincronizar o email do Google via IMAP.”

A Microsoft até pode estar “desapontada” com o Google, mas não deveria – e não deveria também se dizer “surpresa”. Como lembrou Chris Ziegler, do The Verge, a ação do Google estava sendo orquestrada já tinha um tempo, e a Microsoft poderia ter percebido.

“O Google ativou o suporte ao CardDAV em setembro, que foi o momento preciso que a Microsoft devia ter visto a escritura na parede. Significava que o Google finalmente tinha os três padrões abertos para suporte a email (via IMAP), calendários (via CalDav) e contatos sem precisar pagar taxas de licenciamento para a Microsoft para manter o ActiveSync vivo para servir usuários de dispositivos que não sejam Android. O Windows Phone sempre teve suporte ao IMAP, mas não tem ao DAV.”

Ou seja, desde setembro, quando o Google começou a dar suporte ao DAV, a Microsoft poderia ter percebido que havia a possibilidade do Exchange ActiveSync ser abandonado. Ela poderia ter se mexido para impedir o pior aos seus usuários. Pode ser que o CardDAV seja incluído nas próximas atualizações do Windows Phone, mas, até lá, os usuários do sistema móvel da Microsoft terão a opção de não sincronizar todos os dados com o smartphone ou, se preferirem seguir o conselho da Microsoft, vão precisar trocar de email. E nenhuma das duas opções parece muito boa.

%d blogueiros gostam disto: